Categoria: Resenha

A poeira, o tempo e o momento

RESENHA

Livro: Leopoldo Cirne

          Vida e propostas por um mundo melhor

Autor: Antonio Cesar Perri de Carvalho

Formato: 23cm X 16cm, Capa cores, miolo P/B

194 pp.

Edição: CCDPE-MC / Cocriação

 A trova antiga revela: o tempo não me dá tempo/ de bem o tempo fruir/ e nesta falta de tempo/ não vejo o tempo fugir.

As motivações humanas para as ações cotidianas são, deveras, fruto do contexto, efeitos do momento e da identidade que se revela às vezes de modo inesperado, estando o ser frente ao fenômeno que aprofunda sua condição psicológica e o leva a se ver no outro.

Para o livro em epígrafe, cabe esse raciocínio se feita a pergunta: o que levou o autor de Leopoldo Cirne, livro recém-lançado em São Paulo, a se debruçar sobre a vida de uma das muitas figuras interessantes da história do espiritismo brasileiro, envoltas na poeira do tempo pela distância da duração?

Se o leitor responder que a resposta está no subtítulo Vida e propostas para um mundo melhor, lamento dizer que se enganou, pois, para que este faça tal sentido será preciso subvertê-lo a ponto de levá-lo a uma insignificância mortal e depois ressuscitá-lo antes que se transforme em poeira definitiva.

Vamos lá.

O livro é bom e revelador para ambas as partes, autor e biografado. E, tão importante quanto: para o espírita que tenha o mínimo de interesse pela história, vendo nela um fator fundamental para (in)compreender o mundo.

Se quem fala do outro, fala de si, Cesar Perri se revela ao revelar parte da personalidade de Leopoldo Cirne. Até aqui, nenhuma surpresa. Se elas há, e há, vamos à sua cata, feito um jornalista (mais…)

História geral do espiritismo

Resenha

Autores: Lucas Berlanza e Eric Pacheco

Formato: 16 cm X 23 cm, 516 págs.

Publicação: CCDPE-ECM – São Paulo, SP, 2023

 

Lucas Berlanza e Eric Pacheco assinam esta obra que tem por subtítulo Resumo Expositivo. Trata-se de um livro com prefácio de Marco Milani e uma proposta de reunir as principais informações sobre o espiritismo a partir da codificação de Allan Kardec

A proposta é bastante interessante, sem dúvida nenhuma, pois objetiva estabelecer uma sequência histórica dos principais fatos desde o espiritualismo moderno até os dias atuais, preocupando-se especialmente em elencar os fatos de forma didática e temporal, sendo, pois, um livro que pretende também, por consequência, auxiliar os estudos da matéria por pessoas e grupos, facilitando-lhes o caminho do conhecimento.

Com isso, procuram os autores reunir os documentos que validam as novas descobertas a respeito da doutrina e do seu personagem principal, Allan Kardec. Ao seguir por essa trilha, os autores não só corrigem informações equivocadas, como também mitos e fantasias criadas sobre (mais…)

Cidadão Rivail – Raízes e vida de Allan Kardec

RESENHA

Autor: Pedro de Campos

Formato 16 x 23 cm

Capa dura – 880 págs.

Casa Editora O Clarim, Matão, SP

Recém-lançado, após um breve período de pré-venda, o livro em foco tem a sua edição sob a responsabilidade da conhecida O Clarim, casa fundada por Cairbar Schutel no primeiro quarto do século XX. Trata-se de uma obra volumosa – 880 páginas – muito bem impressa e de fino acabamento.

Confesso que não conhecia o autor, Pedro de Campos, embora a ele se atribua a escritura de outros livros. A publicidade feita pela editora despertou-me grande expectativa, especialmente pelo fato de vivermos um período fértil em documentos novos sobre a vida, o trabalho e a obra geral de Allan Kardec. Pelo título, Cidadão Rivail – Raízes e vida de Allan Kardec, e a proposta informada de uma atualização de tudo o que de mais recente existe sobre o assunto, era possível aguardar um trabalho que pudesse nos trazer uma linha do tempo capaz de posicionar os leitores de forma clara e precisa.

Essa expectativa é atendida em parte. Trata-se, de fato, de mais uma obra de fôlego, dada à, sem dúvida, exaustiva e extensa pesquisa revelada pelo autor deste novo cidadão Rivail, obra que vem se juntar a inúmeras outras publicadas no período recente no meio espírita, as quais reposicionam a figura de Allan Kardec no espaço e no tempo, do contexto em que surgiu à obra realizada, especialmente seu pensamento enquanto fundador do espiritismo. (mais…)

Um coração grande para uma razão imensa

O caro Arnaldo da EME, amigo de tantas décadas, que assina Rodrigues de Camargo, enviou-me em abril passado um exemplar do seu livro Mente saudável, vida serena, recém-publicado pela mesma editora que fundou e com garra especial dirige na cidade de Capivari, interior de São Paulo. Edição bem cuidada, com ilustrações expressivas e cores leves, em acordo fino com o sentido dos textos que reuniu, páginas de sua criação esparsas aqui e ali, agora num só volume.

Aí está. Mente saudável, vida serena nos trás um Arnaldo de hoje, depois das esfregas editoriais que todo gráfico há de ter para ser de fato um editor, e das subidas e descidas da vida que a estrada apresenta em suas surpreendentes nuances diárias; mas é, no fundo, o mesmo homem de mais de quatro décadas atrás, quando o conheci e desde então persegui e provoquei, vi e admirei. Dedicado às boas causas, persistente, aprendiz em regime continuado, de fala tranquila, editor mais por destino que escolha, mas desafiador no ramo livreiro pelo qual se empolgou: o livro espírita.

Quando leio as páginas deste seu Mente saudável, vida serena, confesso, (mais…)

Coletivo vai publicar todos os livros de Kardec com o selo ´edição antirracista´

O livro dos espíritos está prometido para este mês de abril e o molde a ser utilizado é o mesmo de O evangelho segundo o espiritismo.

Assiste-se, com verdadeira vergonha alheia, para utilizar da expressão da moda, ao desfile de pronunciamentos de completo descaso para com o espiritismo e seu fundador, Allan Kardec, sejam feitos em lives, sejam escritos aqui e ali. O mais estarrecedor desses pronunciamentos, por isso mesmo, é o que expressa a arrogância e a prepotência dos responsáveis pela edição interpolada, ao afirmar que todos os livros de Kardec receberão igual tratamento, ou seja, serão publicados com as mesmas tintas vermelhas que aparecem na expressão ANTIRRACISTA de O evangelho segundo o espiritismo. Os autores desse ato estarrecedor estão tão convictos dessa dolorosa missão autoatribuída que afirmam não se intimidar com nenhuma crítica e que nada os vai parar.

Mas é preciso colocar às claras que o projeto de interpolação dos livros de Allan Kardec, cujo primeiro, O evangelho segundo o espiritismo, foi lançado no final de 2022, tendo ganhado ampla divulgação no primeiro trimestre de 2023, tal projeto teve início muito tempo atrás, quando o coletivo EàE iniciou as conversas a este respeito. A ideia era mais agressiva ainda, pois se tinha por certo que seriam feitas adulterações explícitas no texto, modificando as palavras de Kardec consoante os desejos do momento. Era este o objetivo pretendido, que só não se empreendeu por um lampejo isolado de bom-senso, uma vez que de qualquer maneira a obra foi adulterada.

(mais…)

A excêntrica postura que revela o extremismo disfarçado de justiça social

Escandalosa tanto quanto vergonhosa, a palavra antirracista aplicada a uma edição de O evangelho segundo o espiritismo configura um verdadeiro estupro levado a efeito na terceira obra da doutrina.

Em 1974, quando José Herculano Pires denunciou a surpreendente tradução de O evangelho segundo o espiritismo feita por Paulo Alves Godoy e publicada pela Federação Espírita do Estado de São Paulo, estava em curso um danoso projeto de retalhar os cinco principais livros do espiritismo escritos por Allan Kardec. Herculano já vinha há algum tempo alertando sobre isso, conhecedor que era das intenções de certos líderes de promoverem, a título de atualização de linguagem, a alterações no pensamento do fundador do espiritismo.

A intervenção, firme e dura, do principal pensador espírita de então foi providencial e fez, primeiro, estancar a gangrena em seu início para, depois, paralisar e extinguir o malfadado projeto. A publicação do livro adulterado ficou naquela edição. Mas a intenção que levou àquele ato se reproduziu posteriormente com o lançamento de uma nova tradução do mesmo livro, agora feita por Roque Jacintho, que, se não repetia os mesmos defeitos de Paulo Alves Godoy, suprimia partes do texto do livro sob o falso argumento de que os assuntos tratados não faziam sentido mais. Herculano Pires, já desencarnado, nada pôde fazer.

Uma imagem pode não valer por mil palavras, sequer por uma; aliás, uma imagem só adquire algum valor por meio da palavra, pois somente a palavra tem a capacidade de dizer o significado da imagem. Pois é a palavra que escancara e desorganiza a imagem que surge no ambiente digital quando se depara com a capa do livro recém-publicado O evangelho segundo o espiritismo. Intrusa e agressiva em sua violência subsumida, ela grita: EDIÇÃO ANTIRRACISTA. Assim mesmo, em vermelho sangue como se brotasse do peito da mulher negra em sua beleza serena ao fundo, fazendo coro com a coroa de espinhos que carrega na cabeça. Desta, porém, não sai nenhuma gota de sangue, nem da fronte e do rosto dela qualquer sinal de dor. Todo o efeito e peso se transfere para a expressão – EDIÇÃO ANTIRRACISTA – que se faz assim o chicote que se arremete sobre o corpo inteiro do livro.

(mais…)

Paideia e Fundação apresentam nova série de livros de Herculano Pires

 

 

São três volumes da nova Série NO LIMIAR DO AMANHÃ já colocados à venda na Fundação M. Virgínia e J. Herculano Pires: (1) Conversa sobre mediunidade + curas, obsessões e sonhos; (2) Conversa sobre a Bíblia + os evangelhos, o espiritismo; e (3) Conversa sobre Chico Xavier + parapsicologia, reencarnação e outros temas. O quarto volume — Um desafio no espaço, os editoriais – que completa a série, será publicado em breve.

 A produção literária do professor J. Herculano Pires, como se pode constatar, alcançou dimensões extraordinárias e o fato de a Fundação M. Virgínia e J. Herculano Pires  estar, desde sua criação, trabalhando sobre o material deixado por ele é uma prova inconteste dessa produção.

A série cuja publicação agora se faz resulta desse esforço de colocar nas mãos dos leitores mais um dos materiais que reputamos importantes e que vêm sendo pesquisados por anos. No Limiar do Amanhã é o título de um programa espírita levado pela antiga Rádio Mulher de São Paulo, aos sábados à noite, com reapresentação aos domingos pela manhã, cuja equipe era comandada por J. Herculano Pires, na primeira metade dos anos 1970. A emissora tinha seus estúdios à Rua Granja Julieta, 205, travessa da Avenida Santo Amaro, São Paulo, Capital e era de propriedade do conhecido homem de rádio e TV Roberto Montoro. O programa teve por slogan: “No Limiar do Amanhã: um desafio no espaço”. Sua primeira edição ocorreu em abril de 1971. (mais…)

ANGELI TORTEROLI em boa hora

RESENHA

Livro: A obra esquecida de Angeli Torteroli
Autor: Adair Ribeiro Jr.
Formato 16cm x 23cm, brochura, 732 págs.
Edição CCDPE-ECM, São Paulo-SP
Disponível, também, em ebook na Amazon

Qualquer incursão histórica que se faça ao século XIX, em especial à sua segunda metade, há de esbarrar na figura interessante e pouco falada de um espírita ativíssimo: Angeli Torteroli. Entre os estudiosos que se interessaram por ele, de forma quase pioneira, estão o Mauro Quintella, de Brasília, e o Eugênio Lara, de Santos, cujos trabalhos são sempre mencionados quando se trata de Torteroli e o espiritismo no Brasil.

Recentemente, com o lançamento da biografia de Bezerra de Menezes escriturada por Luciano Klein (clique para ler a resenha), fez-se um bom resgate mnemônico de Torteroli, revelando algumas facetas de sua personalidade, especialmente suas lutas por um espiritismo de viés científico e filosófico, além do seu grande esforço em prol do progresso do movimento espírita, tendo sido Torteroli um dos primeiros a trabalhar de forma prática a ideia de um movimento coletivo, unido, progressista, de atuação permanente. Junto com outros amigos da época, fundou o Centro da União Espírita do Brasil, a primeira instituição nacional de cunho federativo. (mais…)

Bezerra de Menezes – O homem, seu tempo e sua missão

RESENHA (I)

Autor: Luciano Klein
1ª edição MEBEM / FEEC, Fortaleza, Ceará, 2021 
(disponível a partir de fevereiro de 2022)
Formato 16x23cm, 1.192 páginas, capa a cores, miolo p/b
Prefácio: Samuel Magalhães
Participação: Divaldo Pereira Franco (médium)
Vianna de Carvalho (espírito)

Há muito se comentava a escritura da biografia do, por certo, mais conhecido espírita brasileiro de todos os tempos, Bezerra de Menezes. Poucos meses atrás, ainda em 2021, duas ou três lives promovidas com o autor davam conta da proximidade do lançamento do livro, o que ocorreria ainda a tempo de incluí-lo entre as homenagens aos 190 anos de nascimento do biografado, a serem feitas em agosto de 2021, o que acabou não ocorrendo, mas ajudou a colocar na pauta das discussões e análises o personagem e a própria biografia. Assim como um teaser publicitário, a expectativa sobre o livro foi ampliada enormemente.

Contribuiu para aumentar essa expectativa alguns pontos que entraram espontaneamente no debate durante as lives, ou antes delas, entre os quais, por exemplo, a questão dos poderes discricionários dados a Bezerra de Menezes quando de sua ascensão ao cargo de presidente da FEB em 1895, bem assim as opiniões de que o conceituado político seria o verdadeiro continuador da obra de Allan Kardec. Esta última questão abria outra expectativa, a de que a esperada biografia abordasse e analisasse o assunto.

Pois bem, o livro em sua versão física saiu e está à venda no site da Amazon ao valor de 175 reais, frete incluso. Não há notícia da versão e-book. Trata-se, de fato, de um valor que dificulta em muito o acesso de grande parte dos leitores, mas não pode ser visto como fora de propósito, porquanto, se levado em consideração o volume de páginas, cada uma delas tem o custo de pouco mais catorze centavos, o que coloca o livro na média do valor dos livros espíritas. Considere-se, ainda, o primor com que a edição é apresentada, com capa dura a cores, excelente diagramação e impressão de qualidade. (mais…)

Kardec reafirma: o espiritismo não pode ser visto como uma (nova) religião

Publicações reapresentadas na linha de documentos secundários, que deveriam provar que Kardec estava preparando a religião espírita, reafirmam exatamente o contrário: a posição clara do codificador a respeito do entendimento equivocado dos que procuram incluir o espiritismo na categoria Religião.

A publicação no formato digital, feita dia 29 de agosto último, do livro Religião e espiritismo – análise de novas fontes de informações, (download disponível aqui) recoloca ingredientes pouco conhecidos nas discussões da temática recorrente da questão religiosa no espiritismo. Ser ou não a doutrina espírita uma nova religião é um tema que surgiu logo depois da publicação de O livro dos espíritos, o que levou Allan Kardec, seu autor, a tratar do assunto e a deixar explícita sua posição contrária em diversas oportunidades, através de sólida argumentação. Para ele, o espiritismo era e continuou sendo durante sua vida inteira uma filosofia com amparo na ciência, de consequências morais ou religiosas. Mesmo após sua manifestação quase final no discurso reproduzido na Revista espírita, de 1868, reforçando essa posição contrária, o tema permaneceu em debate e, mais do que isso, tornou-se imperioso à vista de no Brasil as lideranças federativas, comandadas pela Federação Espírita Brasileira, FEB, adotarem oficialmente o tríplice aspecto expresso no paradigma Filosofia, Ciência e Religião. A simples colocação em dúvida do viés religioso é suficiente para exclusões – ou, na linguagem do dia, cancelamentos – dos entes discordantes, sejam eles pessoas físicas ou jurídicas. (mais…)